terça-feira, 8 de agosto de 2017

POEMA DRAMÁTICO

Dei por mim indo por uma rua encurralada
num muro branco com portais encimados
por brasões, armas e arabescos, sem janelas,
sem sinais de gente.

Subi para ver o interior que era um quintal
que parecia cheio de túmulos com sepulturas cinzentas
mas depois percebi que eram cadeiras de mármore
em forma de faunos esfinges e ninfas
num jardim de laranjeiras loureiros e oliveiras.

Entrei por uma nesga
dei com uma casa de porta aberta
e logo vi uma linda moça deitada
enrolada em folhos brancos de brancos lençóis
que me sorriu persistentemente.

Mas não era ela que eu procurava.

O que eu procurava essa mulher que nunca conheci
e que vira descer até junto à praia
por um carreiro estreito,
como o beco duma porta, para sempre fechada.

Acordei.

A mulher já lá não estava,
ou nunca existira?

Jamais o saberei.

Como jamais saberei quem era aquela menina formosa
entre os folhos duma cama
que me sorria persistentemente
deitada entre ninfas e faunos
num jardim de loureiros laranjeiras e oliveiras.


Enviar um comentário